Amo-te

Este texto foi escrito à alguns anos atrás. Embora hoje seja algo que faz parte do passado, por vezes, é preciso recordar-las… mas coisas boas e más. A vida é uma constante aprendizagem. Ignorar o passado é o mesmo que tirar um curso e faltar às aulas práticas…

20 de Novembro será uma data que nunca esquecerei. Porque foi a primeira de muitas outras importantes na minha vida. Foi então que tudo começou. Amo-te desde esse dia de inverno e desde então nunca mais parei de te amar. Foste o que de mais belo aconteceu na minha vida. Hoje estou grato por tudo aquilo que me fazes sentir. Mas quem me dera voltar atrás… para não voltar a cometer os erros que cometi… para não voltar a menosprezar os pequenos detalhes da vida… para não voltar a tomar o teu amor como garantido… Errei muitas vezes… muitas delas de forma monstruosa e por isso peço perdão… sem ti sinto-me só… sem ti sinto-me triste… sem ti nada na minha vida tem sentido… sem ti vivo sem qualquer razão para o fazer.
As palavras de um grande poeta poderiam descrever aquilo que sinto:
“…Amo-te sem saber como, nem de onde, nem porquê… Amo-te simplesmente sem complexos nem orgulhos, pois não conheço outra forma de viver senão esta… amando-te. Onde tu não “existes”, eu não “existo”… Tão próximo que a tua mão no me peito é a minha mão… tão próximo que quando fechas os olhos eu adormeço…”
Mas é muito mais do que isso… Serei louco por amar assim? Por te agradecer desta forma o amor que me deste? Talvez… mas o que serão as nossas vidas sem um pouco de loucura.. sem amor. E que melhor maneira para te demonstrar o que sinto, senão através de uma loucura feita por amor.
Amo-te… sem ti a minha vida, não tem qualquer sentido… sem ti não existe loucura, não existe alegria, não existe… nada… simplesmente não existo. Sou o mesmo que conheceste naquele dia… e que sempre te amou mais do que tudo na vida. Que todos saibam que errei… e fiz sofrer quem menos merecia… mas que todos saibam também o quanto sou louco por ti e o quanto te amo. Nada disto poderá compensar os meus erros ou o pouco amor que recebeste. É apenas uma “homenagem” a quem merece muito mais e melhor… Quem sou eu? Ninguém saberá… Apenas tu… que és a dona do meu coração…


About this entry