Amo-te…

Amo-te sem saber como, nem de onde, nem porquê…
Amo-te simplesmente sem complexos nem orgulhos,
Amo-te pois não conheço outra forma de viver
senão esta… amando-te.

Onde tu não “existes”, eu não “existo”…
Tão próximo que a tua mão no me peito é a minha mão…
tão próximo que quando fechas os olhos eu adormeço…

Adaptação de Alex de um Poema de Pablo Neruda


About this entry